sábado, 9 de julho de 2016

No balanço do tempo e das experiências: do velho livro à velocidade do amor

Li alguns livros de auto-ajuda lá pelos idos dos anos 1990. Não leio mais.
Me lembrei disso porque soube que que uma das primeiras obras a focar neste tema está completando 70 anos em 2016. E já passou dos 30 milhões de exemplares vendidos!
Trata-se de "Como Fazer Amigos & Influenciar Pessoas" do americano Dale Carnegie.
Eu não li, mas é de se perguntar como um livro escrito em 1936, antes da Segunda Guerra Mundial, pode continuar despertando interesse.
A primeira conclusão que podemos tirar é de que as pessoas continuam com os mesmos problemas de relacionamento e auto-conhecimento.
Mas, mesmo sem ler o livro - e apesar de seu contínuo sucesso - duvido que ele permaneça atual.
É claro que alguns mandamentos são perenes e devem estar ali descritos, tipo "sorria sempre", "seja gentil", etc. E aí podemos afirmar que mesmo coisas óbvias precisam ser repetidas para que nos lembremos do básico para uma vida melhor.
No entanto, convenhamos, nem sempre é possível usar de gentileza em todas as situações e, se você sair sorrindo pra todo desconhecido que passar na sua frente, arrisca-se a ser taxado de maluco ou, no caso das mulheres, correr o risco de um louco ficar esperando na esquina mais próxima.
Ainda sobre a obra, o título deve se referir ao fato de que, na época e nos EUA, "fazer amigos" era tarefa árdua. Nem sonhavam com Redes Sociais.
Além disso, o termo "influenciar pessoas" soa no mínimo politicamente incorreto, embora na política é o que continuam tentando fazer o tempo todo.
Dando um salto de 70 anos no tempo caímos em uma época veloz, de muita informação mas pouca percepção. Não há espaço para reflexão mais ampla nesta era de obrigações, deslocamentos, muito tempo dedicado ao trabalho, etc.
Como questionar a vida ou as nossas atitudes e reações com tão pouco livre para isso? E quem quer saber das opções que a vida nos oferece? Apenas vivemos.
Raul Seixas ironicamente disse em uma de suas músicas que duas coisas o preocupavam: a verdade do universo e a prestação que vai vencer. Desconfio que atualmente só nos preocupamos com a prestação.
Salva-nos (também ironicamente) as Redes Sociais, onde emitimos opiniões e nos "encontramos" com amigos. Bem, nem todos são amigos. Ninguém nessa altura do campeonato tem condições de ter "um milhão de amigos" como diria o Roberto Carlos.
Pois vejam só, no Facebook e no WhatSapp uma das coisas legais que vejo são citações de escritores e poetas que podem ser considerados recados de auto-ajuda ou, no mínimo, dicas para reflexão.
No entanto me lembrei que eu lia aqueles livros naqueles tempos e o maior problema era fixar o que tinha lido e aplicar no dia a dia. Mas eram livros inteiros.
O paralelo com o momento atual é que são tantas informações que lemos aquela breve citação, curtimos e passamos para o próximo post.
Não ficou nada registrado em nossa mente da Clarice Lispector, do Mario Quintana, da Adélia Prado, do Drummond, da Martha Medeiros ou até (ok, ok) do Dale Carnegie.
E olha que são recados curtos se comparados com livros. Fácil de ler, complicado para refletir e questionar nossas próprias atitudes. Permanecemos então com um padrão que perpetua-se ao longo da vida: as nossas naturais mudanças são na verdade mudanças "cosmésticas", assim como nosso corpo muda com o tempo, independente de nossa vontade.
O que gera outro questionamento: mudar o que e pra que? Melhor não pensar nisso e seguir a vida certo? Não sei não. O fim da estrada está logo ali depois daquela curva e otimizar a curta existência deveria ser meta de todos.
Tentar aproveitar mais a vida, os momentos e as novas boas experiências que se apresentam.
Mas, volto a dizer, quem tem tempo para isso?
Não sou lá muito adepto do Paulo Coelho mas tem um livro dele que tem um título (e um tema) muito interessante. Chama-se "Onze Minutos". Sabem do que trata esse título? Segundo pesquisas mundiais é o tempo médio que se gasta para ter uma relação sexual. Mais corretamente "fazer amor". Em alguns países isso não passa de seis minutos! Tempo de um intervalo comercial. Preliminares? O que é isso?
Não estou dizendo que este é o mais importante tema do mundo mas, por outro lado, não deveria ser tão pouco importante. Uso o assunto apenas como ilustração (sem fotos explícitas, fiquem tranquilos) de como estamos caminhando para o automático, para não experimentação, para a falta de preocupação com o que é o existir e suas sensações e emoções. Com o outro. Sabores, perfumes, sons, pensamentos, abraços, diferenças.
Corremos e lutamos para chegar. Chegamos, E agora? Onde estão mesmo os outros que foram em outras direções?
Mas, não sei não. Essas minhas impressões despertadas pelo livro que completa 70 anos e que não li e nem vou ler parecem soar um tanto quanto fora de sincronia com o tempo presente. Como se fosse uma frase da querida Clarice Lispector.
Enfim, sigamos em frente. Se refletindo, experimentando ou simplesmente "seguindo em frente", é uma abordagem de cada um.
Todo o assunto que tento humildemente abordar aqui nessas impressões, me faz recordar uma ou mais músicas. A citação do livro do Paulo Coelho me lembrou do título de uma música da adorável pianista Susanne Ciani; "The Velocity of Love". Desconfio que ela quis ser irônica com esse termo, pois a linda canção é bem lenta... Como deve ser a tranquilidade do amor. Aliás não deixem de assistir ao vídeo dessa linda música, que insiro abaixo. Apesar do touro assustador da introdução, o filme é muito bonito.



Suzanne Ciani

4 comentários:

  1. Olá. Que crônica legal. Gosto muito do seu blog.
    Este livro é bom e anda sendo comentado mesmo, por causa dessa história de já ter setenta anos.
    Eu concordo com tudo que falou e ando refletindo sobre isso. Imagino que com a idade questionamos algumas verdades e comportamentos que temos tido ao longo da vida. Chega um momento de necessária liberdade de ações e de pontos de vista e de selecionar mais o que queremos em nossos momentos.
    Beijos para você Marcos e parabéns pelo blog.
    E adorei a música e o video! Obrigada!

    ResponderExcluir
  2. Uau! Texto maravilhoso! Me fez refletir mesmo! Agradeço também. Você já escreveu algum livro?

    ResponderExcluir
  3. Obrigado pelas palavras Luana. Que bom que gostou e se conectou com o que queria questionar. Bjs.

    ResponderExcluir
  4. Valeu Maria Aparecida! Não, eu não escrevi nenhum livro ainda mas, quem sabe né?!
    Obrigado. Bjs.

    ResponderExcluir