quinta-feira, 3 de setembro de 2015

Chillout, Downtempo, Ambient, Lounge: novas formas de fusão musical para novos tempos


Como fazer uma música que seja calma e relaxante, que nos ajude como fundo musical nesses tempos corridos, mas que não seja necessariamente 'sonolenta'? E que possa ser usada até mesmo para dançar e, se o ouvinte assim o quiser, também para 'desestressar'? Ou para ouvir enquanto lê um bom livro ou navegar na Internet? Ou apenas para deitar no sofá e deixar rolar?

A reposta está no uso da eletrônica, na escolha do ritmo correto, na busca de 'batidas' ora ancestrais, ora baseadas em folk music e em ideias desenvolvidas fora do eixo anglo-americano, como Bossa-Nova, por exemplo. Mas o Jazz e o Pop e suas diversas correntes normalmente não estão descartadas.

O resultado conseguido por produtores e músicos deram em gêneros musicais batizados com diversas denominações, como Chill-Out, Downtempo, Ambient Techno, Dub, Lounge, Jazzy, Nu-Soul, Trip-Hop, etc. Esses rótulos guardam diferenças entre si, muitas vez não muito perceptíveis.

Normalmente são utilizados instrumentos acústicos junto com os eletrônicos, ou as vezes são músicas produzidas diretamente no computador com a ajuda de ferramentas musicais diversas. Podem ser somente instrumentais ou ter uma cantora como convidada.

Selecionei quatro músicas de grupos-músicos-produtores diferentes bem atuais (desta vez nada dos anos 1970, ok?!) para ilustração do que descrevo aqui: o alemão Jens Buchert, o italiano Il Santo, o franco-alemão Club des Belugas e o germânico-americano David Douglas.

Com tanta coisa negativa rolando por todos os lados, vale a pena abrir espaço na agenda para uns sons leves e sensuais para levantar um pouco o astral (epa! Atualizei os estilos e as músicas, mas parece que a linguagem não: "astral" é coisa da década do Movimento Hippie!).

Enjoy.








Nenhum comentário:

Postar um comentário