quarta-feira, 1 de abril de 2015

Sobre Abril, Outono, Poesia, Música, a Vida e o Tempo

Mário Quintana em um ambiente que tem muito de sua simplicidade poética
Hoje é primeiro de abril.
Comenta-se naquela brincadeira que é o "dia da mentira". Deve ser tradição do Brasil interiorano, cada vez mais distante de nós, com as cidades crescendo sempre.
Embora o outono comece no final de março, sempre penso nessa estação a partir deste mês de abril.
Em abril os dias costumam ser mais claros, sem o ofuscamento do verão, as temperaturas mais amenas (bem, pelo menos era assim desde a minha infância, mas agora as coisas estão se modificando muito rapidamente) e o céu adquire um visual mais interessante, com as nuvens de chuva esparsas dividindo sua presença com o azul do céu que sempre se mostra em diversos pontos, ao longo do horizonte.

É verdade que o dia amanheceu chuvoso em boa parte do sudeste, mas uma chuva mais para outono mesmo do que para verão.
Vinícius & Toquinho cantaram este mês na música "As Flores de Abril". 

Mas eu sou suspetíssimo para falar bem de abril porque sou de Áries
Tambem por isso - a passagem do tempo - me lembrei dessa poesia do sábio Mário Quintana (na foto acima, em um ambiente que tem muito a ver com a poesia dele).
A bem da verdade esta não é uma poesia original completa do Quintana. Sabem como são essas coisas na Internet. Pinçaram trechos e adiconaram outros. Mas ficou boa. Nem reproduzo toda. Apenas parcialmente. 
Verdade também que não costumo postar poesia aqui no Blog.
Confesso que me liguei um pouco em poesia apenas na minha juventude, quando li os básicos brasileiros: Drumond, Vinícius, Bandeira e, eventualmente, o português Fernando Pessoa. Acabei me interessando mais pela prosa, mas acho que perdi muito coisa boa nesse tempo todo.
Acho que poesia é mais ou menos como o Jazz e a Música Clássica.

Para gostar, a mente tem de ter um tipo de conexão especial com esse tipo de arte.
Em outras palavras, não é para qualquer um. O que em si não desmerece quem gosta ou quem não gosta de poesia (ou de Jazz ou de Música Clássica). São apenas características pessoais e a questão de ter tido oportunidade de um contato maior ao longo da vida.
Mas acho que já estou me alongando demais neste post.

Assim, segue a (pseudo) poesia do Quintana sobre a vida e o tempo. E a música de Vinícius & Toquinho.
Espero que gostem.
Bom mês de abril a todos!

Paisagem Outonal

A Vida e O Tempo
(trechos de Mário Quintana + autores desconhecidos)
"A vida é o dever que nós trouxemos para fazer em casa.
Quando se vê, já são seis horas!
Quando de vê, já é sexta-feira!
Quando se vê, já é natal...
Quando se vê, já terminou o ano...
Quando se vê perdemos o amor da nossa vida.
Quando se vê passaram 50 anos!
Agora é tarde demais para ser reprovado...
Se me fosse dado um dia, outra oportunidade, eu nem olhava o relógio.
Seguiria sempre em frente e iria jogando pelo caminho a casca dourada e inútil das horas(...)
E tem mais: não deixe de fazer algo de que gosta devido à falta de tempo.
A única falta que terá será a desse tempo que, infelizmente, nunca mais voltará. "



Nenhum comentário:

Postar um comentário