domingo, 15 de fevereiro de 2015

O que te faz sair da cama todos os dias pela manhã?

Taí uma pergunta que pode adquirir tons existenciais.
Tipo, 'qual o sentido da vida'?
Mas logo no domingo de carnaval...?!
Como estamos no clássico feriadão carnavalesco podemos ficar até a hora que quisermos embaixo dos lençóis.
Por exemplo, escrevo essas mal traçadas linhas na cama. Ainda bem que o notebook é leve.
Depois de esgotarmos todo o sono necessário podemos pegar um livro ou jornal para ler, ver TV, ouvir música ou qualquer outra atividade compatível, como não fazer absolutamente nada, por exemplo.
Sempre tem um cansaço físico ou mental esperando por mais muitas horas de cama.
Então levantar para quê neste feriado? Pode ser para ir à praia ou para começar a preparar aquele clássico churrasco. Essas são boas opções de incentivo para abandonar a posição horizontal, mas não fazem parte do dia a dia normal. Bem, pelo menos do meu. Torço para que seja do seu.
E, considerando que os chamados "dias úteis" são os que nos obrigam a ter horário marcado para começar o dia, me pergunto se quem já se livrou dessas obrigações continua com essa crise existencial: "sair da cama para quê?".
O sempre certeiro e irônico Luis Fernando Veríssimo, em recente crônica, nos dá uma luz no fim do túnel, ou melhor, um real motivo para além da cama.
Para sair da cama
"Chega a um ponto em que você precisa ter uma razão muito forte para sair da cama de manhã. Né não? Um motivo sério, imperativo, irrecusável para se levantar, escovar os dentes, tomar banho, se vestir e sair para a vida, em vez de ficar na cama o dia inteiro. Estas razões são cada vez mais escassas. E precisam ser hierarquizadas e colocadas numa perspectiva.

Razão nº 1 para sair da cama de manhã: mudar o mundo. Difícil. Sua capacidade para regenerar a humanidade e salvar o planeta da autodestruição é zero. Mesmo se acordasse com superpoderes e, depois de se certificar que sua sensação de onipotência não era efeito da ressaca da noite anterior, saísse para a tarefa de acabar com a insensatez humana e as barbaridades no mundo, não saberia por onde começar.

Dizem que o próprio Super-Homem disse “cansei”, desistiu de combater o mal e hoje vive de levar crianças para voar num parque de diversões. Ou então fica na cama o dia inteiro.

Outra razão para sair da cama de manhã: trabalhar. Uma razão nobre. Ganhar a vida honestamente. Garantir meu sustento sem explorar ninguém e garantir o uísque das crianças. Mas já trabalhei demais. As crianças estão encaminhadas na vida. Não me pedem mais dinheiro. Ou me pedem e eu finjo que não ouço, o que é a mesma coisa.

O tipo de trabalho que eu faço, na tabela das atividades que afetam a vida e o conhecimento das pessoas, está em 65º lugar, logo depois de empalhador de marmotas. Se eu ficasse o resto da vida na cama, sem trabalhar, ninguém iria notar a diferença.

Razão nº 3 para sair da cama: a perspectiva de um bom café da manhã. Mas um bom café da manhã pode ser servido na cama. O único problema seria convencer sua mulher que você acordou paralisado e precisa do iogurte na boca — todos os dias!

Outra razão para sair da cama: dar o exemplo. O que diriam os outros cidadãos de um homem ainda razoavelmente saudável e ambulante que prefere ficar na cama o dia inteiro? O que diriam a mulher, os filhos, os vizinhos, a posteridade?

Meu legado seria o de alguém que concluiu que nada vale a pena e tudo é inútil, começando por sair da cama. Minha postura seria a de uma estátua simbolizando uma revolta contra a morte e o absurdo da existência, só que na horizontal. Meu legado seria de preguiça, certo, mas de uma preguiça com fundo filosófico.

A última e decisiva razão para sair da cama de manhã: você precisa fazer xixi. Não tem jeito: você sai da cama."
Luis Fernando Veríssimo

3 comentários: